28 setembro 2011

Blog BYN9VE por Cláudia Ioschpe - Estilo, atitude, comportamento, entretenimento, consumo, festas e notícias | clicRBS

Hope se pronuncia sobre o polêmico comercial com Gisele Bündchen



Depois de toda a polêmica com o comercial com Gisele Bündchen, a marca de lingeriesHope enviou uma carta à Secretaria de Políticas para as Mulheres.


De acordo com a assessoria da marca “os exemplos utilizados nos vídeos nunca tiveram a intenção de parecer sexistas. As situações são brincadeiras, piadas do dia-a-dia, e em hipótese nenhuma devem ser tomadas como depreciativas da figura feminina. Além do mais, seria um absurdo a HOPE, que depende exclusivamente das mulheres, tomar qualquer atitude que desvalorizasse esse público.


Abaixo, a carta enviada, na íntegra:

Nota à Secretaria de Políticas para as Mulheres (SPM)

Em relação às denúncias recebidas por essa Secretaria por conta da campanha publicitária “HOPE ensina”, a HOPE, empresa com 45 anos de história e que sempre primou pela excelente relação com as suas consumidoras, esclarece que a propaganda teve o objetivo claro e bem definido de mostrar, de forma bem-humorada, que a sensualidade natural da mulher brasileira, reconhecida mundialmente, pode ser uma arma eficaz no momento de dar uma má notícia. E que utilizando uma lingerie HOPE seu poder de convencimento será ainda maior.

Os exemplos nunca tiveram a intenção de parecer sexistas, mas sim, cotidianos de um casal. Bater o carro, extrapolar nas compras ou ter que receber uma nova pessoa em sua casa por tempo indeterminado são fatos desagradáveis que podem acontecer na vida de qualquer casal, seja o agente da ação homem ou mulher.

Foi exatamente para evitar que fôssemos analisados sob o viés da subserviência ou dependência financeira da mulher que utilizamos a modelo Gisele Bundchen, uma das brasileiras mais bem sucedidas internacionalmente. Gisele está ali para evidenciar que todas as situações apresentadas na campanha são brincadeiras, piadas do dia-a-dia, e em hipótese alguma devem ser tomadas como depreciativas da figura feminina. Seria absurdo se nós, que vivemos da preferência das mulheres, tomássemos qualquer atitude que desvalorizasse nosso público consumidor.

Atenciosamente,

Sandra Chayo

Diretora

0 comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
 
↑Top