17 novembro 2011

Marilyn Monroe foi sem talento, preguiçoso e auto-absorvida e um modelo para hoje C-listers | Mail Online

NÃO GOSTEI DESTE ARTIGO, MAS RESOLVI POSTAR PARA PODER DEFENDER A 


DIVA QUE FOI E SEMPRE SERÁ MARILYN MONROE. ESTA PESSOA DEVE TER ALGUM 


PROBLEMA... COMPARAR Paris Hilton e Lindsay Lohan a MARILYN, "TEM QUE TER FÉ"!



FICA FÁCIL DENEGRIR A IMAGEM DE ALGUÉM QUE JÁ MORREU, NÃO TEM COMO SE DEFENDER!


                                 *******


O airhead original: sem talento, preguiçoso e egoísta. Como tela deusa Marilyn Monroe era o 


modelo para a raça de hoje de vapid C-listers




Ela era a deusa da tela final, o símbolo maior sexo sempre a sair de Hollywood. E quase 50 anos após sua morte, Marilyn Monroe continua a ser um ícone inigualável cultural, um objeto de desejo de milhões de homens e uma inspiração para sucessivas gerações de mulheres.
A obsessão com ela será ainda alimentada na Grã-Bretanha este mês com o lançamento do filme de alto perfil, Minha semana com Marilyn. Estrelando o jovem e brilhante atriz de Hollywood Michelle Williams no papel-título, o filme cobre o período em 1957, quando Monroe estava na Inglaterra para fazer o Príncipe And The Showgirl, atuando ao lado de Laurence Olivier.
Na época, a Monroe ainda estava em seu casamento um tanto incongruente para óculos dramaturgo Arthur Miller, o casal de ter sido apelidado por "Egghead eo Hourglass" da imprensa.
Tela deusa: Marilyn Monroe ainda é lembrado quase 50 anos após sua morte, mas Leo McKinstry argumentou que ela era realmente talento e preguiçoso
Tela deusa: Marilyn Monroe ainda é lembrado quase 50 anos após sua morte, mas Leo McKinstry argumentou que ela era realmente talento e preguiçoso
Mas carente, insegura e aliviado por seus votos de casamento, Monroe virou para o apoio durante a produção do filme para um jovem assistente no set, Colin Clark, irmão de Alan Clark, mais tarde o famoso Tory MP e best-seller diarista.
Graças ao cuidado Colin Clark - algo que seu irmão mulherengo certamente não teria mostrou na mesma situação - a ligação com Monroe foi consumado, nunca indo além de um beijo.
Eu vou ver o filme, mas apenas como um fã de drama de época, não como um fã de Marilyn Monroe. Eu sou um dos poucos homens heterossexuais que não adora a seu altar.


    Porque eu sou exasperado, em vez de hipnotizado por sua voz sussurrante e infantil e cílios histericamente esvoaçantes. Seu mix de inocência falsa e voluptuosidade pushy tem pouco apelo para mim. Às vezes, com seu cabelo loiro falso e exagerado de mexer os quadris, ela mais parece uma drag queen terrível do que uma mulher real.
    Sim, eu reconheço que ela teve um enorme impacto sobre a nossa cultura popular, mas, principalmente, em ter ajudado a estimular o humor da moda para vitimização, infantilismo vulgaridade, e auto-absorção.
    Visita Inglês: O novo filme cobre tempo Monroe no Reino Unido que aparecem ao lado de Laurence Olivier no Príncipe And The Showgirl
    Visita Inglês: O novo filme cobre tempo Monroe no Reino Unido que aparecem ao lado de Laurence Olivier no Príncipe And The Showgirl
    A vítima foi o papel que sempre desempenhou melhor, seja entregando-se regularmente suas ameaças de suicídio como uma forma de chantagem emocional ou as longas horas que passou em psicanálise, neuroticamente debruçado sobre suas queixas.
    Sim, ela é um modelo, mas em grande parte para os narcisistas cansativo e exibicionistas.
    Nem acho que ela era muito de uma atriz. Apesar de uma carreira com duração de 14 anos, ela não fez filmes verdadeiramente grande, não deu performances cativantes.
    Houve pouca profundidade para ela. Ela quase sempre desempenhou o mesmo papel superficial, a atenção craving ditsy indefeso loira masculino e proteção. Ela não tinha nenhum da autoridade impressionante de outras atrizes de Hollywood como Barbara Stanwyck ou Katharine Hepburn, que tanto se destacou como mulheres fortes na tela.
    Gama limitada de Marilyn Monroe foi em parte culpa dela própria, pois ela estava irremediavelmente não profissional, especialmente em sua carreira mais tarde.
    Constantemente atrasado no set, sempre ansiosos para retoma mais, muitas vezes ela não aprendeu suas falas e poderia tornar-se perturbado com qualquer crítica, não importa como construtivas.
    Mordaz: Laurence Olivier Monroe descrito como "o mais estúpido, mais auto-indulgente tart eu já vi '
    Mordaz: Laurence Olivier Monroe descrito como "o mais estúpido, mais auto-indulgente tart eu já vi '
    O grande diretor Otto Preminger disse que trabalhar com Marilyn era "como dirigir Lassie '. Olivier foi ainda mais contundente: "Ela é estúpida, mais auto-indulgente torta que eu já vi."
    Com sentimentalismo típico, Monroe alegou em sua política de ser "do lado dos trabalhadores". No entanto, ela não mostrou muito apetite para o trabalho duro sozinha. Sobre a produção de seu último filme, Something Got To Give, ela relatou no set apenas 12 vezes fora de 35 dias de filmagem. Sua atitude irresponsável causou diretores, produtores e colegas frustrações.
    Billy Wilder, que a dirigiu em seu filme, provavelmente o mais famoso, Some Like It Hot, uma vez disse que ela deveria ter ido a um trem de engenheiros "da escola, então ela poderia ter aprendido algo sobre a chegar no horário".
    Apoiantes Monroe tentar desculpá-la, destacando todos os problemas que ela sofreu. Ela foi uma vítima, eles dizem, não só de uma infância conturbada, mas também de um sistema de estúdio de bullying que pigeonholed-la para as partes loira burra quando ela era capaz de muito mais.
    Mas essa defesa não acrescenta nada. É verdade que ela teve uma educação dura. Como a filha de uma mãe mentalmente doente, ela foi criada em uma série de lares adotivos e alegou ter sido abusada quando criança. Mas milhões de pessoas têm planos de fundo difícil e triunfar sobre eles.
    Em vez de superar obstáculos, Monroe passou a maior parte de sua vida wallowing neles. No processo, ela se tornou um dos catalisadores do culto moderno da vítima, onde os indivíduos utilizam uma narrativa de sofrimento pessoal, para evitar assumir a responsabilidade por suas próprias vidas.
    É revelador que alguns dos piores celebridades airhead modernas, tais como Paris Hilton e Lindsay Lohan, identificar tão fortemente com Marilyn.
    Na verdade, quando Lohan estava enfrentando um outro caso judicial sobre seu consumo de drogas, ela escreveu um ensaio prolixo sobre como ela viu muito de si mesma em Monroe.
    "Marilyn disse que não tinha fundamento. Mas ela estava realmente trabalhando nisso. Eu tenho tentado fazer a mesma coisa, 'Ms Lohan escreveu.
    Mas o que é mais ofensivo sobre vitimização Marilyn é que ele era tão falso. Esta foi uma mulher que, em meados dos anos 1950, era adorada por milhões. A idéia de que ela era oprimido pelo sistema de estúdios de Hollywood é apenas uma outra parte da criação do mito.
    Paris Hilton é uma celebridade que pode ser fortemente identificado com Marilyn Lindsay Lohan copiado Monroe por escrever um ensaio prolixo quando foi preso por consumo de drogas
    Moderna Monroes: Paris Hilton, esquerda, e Lindsay Lohan pode estar ligada fortemente com Marilyn
    De fato, em 1955, a 20th Century Fox ofereceu-lhe um contrato fabuloso que exigia que ela faça apenas quatro filmes ao longo dos próximos sete anos, enquanto sua própria empresa, Marilyn Monroe Productions, era para ser dada uma parte dos lucros de cada filme.
    Além disso, ela foi autorizada a trabalhar para outros estúdios e poderia rejeitar qualquer diretor não gostava. Além disso, para todas as suas frustrações, diretores, muitas vezes mostrou grande tolerância em relação a ela. Na produção de Niagara, seu primeiro grande filme, Henry Hathaway passou horas persuadindo e confortando enquanto ela preparou suas cenas.
    Longe de ser a vítima inocente da lenda, Monroe foi caprichoso, voluntarioso e auto-centrado. Ela gemeu sobre ser uma estrela, mas foi ferozmente ambicioso em sua busca da fama.
    Ela brutalmente despejados seu primeiro marido, Jim Dougherty, com quem se casou aos 16 anos, porque temia que ele poderia segurar sua carreira.
    Egocêntrica: Monroe usou a gemer constantemente sobre ser sa estrela, mas foi ferozmente ambicioso em sua busca de fama e até mesmo despejados seu primeiro marido para continuar a sua carreira
    Egocêntrica: Monroe usou a gemer constantemente sobre ser sa estrela, mas foi ferozmente ambicioso em sua busca de fama e até mesmo despejados seu primeiro marido para continuar a sua carreira
    Ela alegou ser "apenas uma menina pequena em um grande mundo tentando encontrar alguém para amar ', mas ela começou a alienar seus maridos, incluindo Arthur Miller eo herói de beisebol Joe DiMaggio, com sua promiscuidade exibicionismo, e neuroses. Ela não respeitou todos os limites, tal como comprovado pelo seu desempenho infame, completo com um vestido ultra-apertado e breathiest voz possível, em 'Feliz Aniversário, Senhor Presidente "cantando para ela por vezes, amante John F. Kennedy no Madison Square Garden em 1962 .
    Justamente, a primeira-dama Jacqueline Kennedy, uma mulher de dignidade infinitamente maior, ficou indignado com essa humilhação pública e ameaçou seu marido com o divórcio.
    Monroe também lamentou sobre ser um símbolo sexual, mas fez tudo que podia para encorajar tal imagem, com o seu beicinho infinitas e figura-abraçando modas. Em um de seus últimos atos antes de sua morte em 1962, ela concordou em aparecer nua na revista Life, de modo que ela iria "empurrar Liz Taylor fora do cobre", para usar suas próprias palavras com ciúmes.
    Lamentações: Monroe usou a gemer sobre ser um símbolo sexual, mas depois fez tudo que podia para incentivá-la com photoshoots como este
    Lamentações: Monroe usou a gemer sobre ser um símbolo sexual, mas depois fez tudo que podia para incentivá-la com photoshoots como este
    Por toda a fama dela, Monroe tornou-se algo de um furo por causa de sua introspecção obsessiva, combinado com drogas e álcool.
    Mesmo psiquiatra dela, Dr. Ralph Greenson, tornou-se exausto por ela - para que ele lhe deu um gravador para que ela pudesse repetir interminavelmente seus pensamentos em vez de passar horas conversando com ele.
    Dado o seu estado emocional, que desde sua adolescência tinha sido caracterizada por ameaças de suicídio, o seu fim era previsível. Ela quase certamente morreu de uma overdose de drogas, embora isso não impediu que um dilúvio de teorias da conspiração selvagem - incluindo que ela foi morta por ordem dos irmãos Kennedy.
    Toda esta especulação, livre de provas concretas, só tem alimentado o culto Monroe de vítima.
    Neste, a sua vida e da morte tem um paralelo na própria Grã-Bretanha a princesa Diana, outra loira auto-indulgente que gostava de jogar a vítima, apesar de sua situação privilegiada e riqueza.
    Como Marilyn, ela gostava de antics histriônica para chamar a atenção para si mesma pena. Como Marilyn, ela ansiava por atenção da mídia, ainda baliu sobre isso. Tal como acontece com Marilyn, seu tema favorito de conversa era ela mesma. E como Marilyn, que morreu jovem, deixando um rastro de destroços emocionais por trás dela.
    Monroe uma vez justificou o seu comportamento quixotesco com a linha: "É melhor ser absolutamente ridículo do que o absolutamente chato." Na minha opinião, ela acabou sendo ambos.




    http://www.dailymail.co.uk/femail/article-2062542/Marilyn-Monroe-talentless-lazy-self-absorbed-model-todays-C-listers.html



    Marilyn Monroe

    Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

    Marilyn Monroe
    Marilyn Monroe
    Nome completoNorma Jean Mortenson
    Outros nomesNorma Jean Baker
    Nascimento1º de junho de 1926
    Los AngelesCalifórnia
    NacionalidadeEstados Unidos norte-americana
    Morte5 de agosto de 1962 (36 anos)
    Los AngelesCalifórnia
    OcupaçãoAtriz
    CônjugeJimmy Dougherty-1942,
    Joe DiMaggio-1954, Arthur Miller-1956 a 1961.
    Prémios Golden Globe

    Melhor Atriz
    1959 Quanto Mais Quente Melhor
    Página oficial
    IMDb(inglês)  (português) 

    Marilyn Monroe no filme Quanto Mais Quente Melhor (Some Like it Hot), de 1959.

    Marilyn Monroe e Jane Russell dando assinaturas no cimento do Grauman's Chinese Theatre em 1953.

    Marilyn Monroe no filme Niagara, de1953.

    Marilyn Monroe e Laurence Olivier no filme The Prince and the Showgirl (br: A Pincesa Encantada).
    Marilyn Monroenome artístico de Norma Jeane Mortensen, (Los Angeles1 de junhode 1926 — Los Angeles, 5 de agosto de 1962) foi uma das mais célebres atrizes norte-americanas.
    É uma das mais famosas estrelas de cinema de todos os tempos, um símbolo de sensualidade e um ícone de popularidade no século XX.


    Os primeiros anos
    Biografia


    Sra. Norma Jeane Dougherty, Yank Magazine,1945.
    O nome de batismo de Marilyn Monroe era Norma Jeane Mortensen. Ela nasceu no County Hospital em Los Angeles. Ela não conheceu seu pai biológico, fato que a deixava muito abalada. Muitos biógrafos acreditam que o pai biológico de Marilyn era Charles Stanley Gifford, um agente de vendas do estúdio RKO, onde Gladys Pearl Monroe, a mãe de Marilyn, trabalhava. Ela era editora de filmes, mas graves problemas psicológicos a impediram de permanecer no emprego e ela foi internada em um hospício. A certidão de nascimento diz que Martin Edward Mortensen, marido de Gladys, é que é o pai biológico de Marilyn, mas ele somente a registrou, já que ele conheceu a mãe de Marilyn grávida. Ela só recebeu o sobrenome do padrasto em seu nome. Numa entrevista ao canal de televisão Lifetime, James Dougherty, o primeiro marido de Marilyn, disse que ela acreditava que Gifford era o seu pai, já que ela investigou uma vez e viu que antes do seu padrasto sua mãe tivera um único namorado que era chamado Gifford.
    Norma Jeane passou grande parte de sua infância em casas de parentes e orfanatos até que, em 1937, mudou-se para a casa de Grace Mckee Goddard, amiga da família. Em1942, o marido de Grace foi transferido a trabalho para a costa leste e o casal não tinha condições financeiras para levar Norma Jeane, na época com dezesseis anos. Norma Jeane tinha duas opções: Voltar para o orfanato ou se casar com seu namorado.
    No dia 19 de julho de 1942 casou com Jimmy Dougherty, de 21 anos, com quem namorava há seis meses. Segundo Jimmy, ela era uma menina doce, generosa e religiosa e que gostava de ser abraçada. Até então, Norma Jeane amava Jimmy e eles estavam muito felizes juntos, até que ele entrou para a Marinha e foi transferido para o Pacífico Sul, em 1944.
    Após a partida de Jimmy, Norma Jeane começou a trabalhar na fábrica Rádio Plane Munition, emBurbank, na Califórnia. Alguns meses depois, o fotógrafo Davis Conover a viu enquanto tirava fotos de mulheres que ajudavam no esforço de guerra, para a revista Yank. Ele não acreditou na sua sorte, pois ela era um "sonho" para qualquer fotógrafo. Norma Jeane posou para uma seção de fotos e ele começou a lhe enviar propostas para trabalhar como modelo. As lentes adoravam Norma Jeane, e em dois anos ela tornou-se uma modelo respeitável e estampou seu rosto em várias capas de revistas. Ela começou a estudar o trabalho das lendárias atrizes Jean Harlow eLana Turner, e inscreveu-se em aulas de teatro, sonhando com o estrelato. Porém, o marido Jimmy retornou em 1946, o que significou que Norma Jeane tinha que fazer outra escolha, dessa vez entre seu casamento e sua carreira.
    Norma Jeane e Jimmy divorciaram-se em junho de 1946, pois ele não aceitava que ela se tornasse uma atriz. Norma assinou seu divórcio antes mesmo de assinar seu primeiro contrato na vida, dessa vez foi contratada oficialmente pela Twentieth Century Fox em 26 de agosto de 1946, com um salário de 125 dólares por semana. Pouco tempo depois, tingiu seu cabelo de loiro claríssimo e mudou seu nome artisticamente para Marilyn Monroe, Monroe era o sobrenome da sua avó materna e Marilyn o nome mais chique da época.

    O início da carreira


    MM em cena de Gentlemen Prefer Blondes (br: Os Homens Preferem as Louras).
    Marilyn começou a carreira em alguns pequenos filmes, mas a sua habilidade para a comédia, a sua sensualidade e a sua presença em eventos levaram-na a conquistar papéis em filmes de grande sucesso, tornando-a numa das mais populares estrelas de cinema da década de 1950. Tinha 1,67 metro de altura, 94 centímetros de busto, 61 cm de cintura e 89 cm de quadril. Apesar de sua beleza deslumbrante, suas curvas e lábios carnudos, Marilyn era mais do que um símbolo sexual da década de 50. Sua aparente vulnerabilidade e inocência, junto com sua inata sensualidade, a tornaram querida no mundo inteiro. Ao mesmo tempo que era uma menina frágil e inocente, era uma mulher dominante e irresistivelmente sedutora.
    O primeiro papel de Marilyn no cinema foi uma participação não creditada em The Shocking Miss Pilgrim (br: ''Sua Alteza, a Secretária, 1947), de George Seaton. Contracenou rapidamente comGroucho Marx em Love Happy (br: Loucos de Amor, 1950), de David Miller. Nesse mesmo ano conseguiu um pequeno mas influente papel no suspense de John HustonThe Asphalt Jungle (br:O Segredo das Joias), e o papel de Claudia Caswell em All About Eve (br: A Malvada), estrelado por Bette Davis e dirigido por Joseph L. Mankiewicz, tendo recebido muitos elogios. A partir daí, participou de filmes como As Young As You Feel (br: Sempre Jovem, 1951), de Harmon JonesMonkey Business (br: O Inventor da Mocidade, 1952), de Howard Hawks e Don't Bother to Knock (br: Almas Desesperadas, 1952), de Roy Baker. No entanto, foi sua performance em Niagara (br: Torrentes de Paixão, 1953), de Henry Hathaway, que a tornou estrela. Marilyn fez o papel de Rose Loomis, uma jovem e bela esposa que planeja matar seu velho e ciumento marido, personagem de Joseph Cotten.

    O sucesso

    O sucesso de Marilyn em Niagara lhe rendeu, no mesmo ano, os papéis principais emGentlemen Prefer Blondes (br: Os Homens Preferem as Louras, de Howard Hawks, que contou com a participação de Jane Russell, e How to Marry a Millionaire (br: Como Agarrar um Milionário, de Jean Negulesco, com participação de Lauren Bacall e Betty Grable. A revista Photoplay votou em Marilyn como melhor atriz iniciante de 1953 e, aos 27 anos de idade, ela era sem dúvida a loira mais amada de Hollywood.

    MM em show para as tropas americanasna Coreia
    No dia 14 de janeiro de 1954, Marilyn casou com seu namorado, o jogador de beisebolJoe DiMaggio, em São Francisco, na Califórnia. Eles namoravam há dois anos quando Joe pediu a seu agente que organizasse um encontro para os dois jantarem e a pediu em casamento. "Eu não sei se estou apaixonada por ele ainda", disse Marilyn à imprensa logo no início de seu relacionamento, "mas eu sei que eu gosto dele mais do que qualquer homem que já conheci". Durante sua lua de mel em Tóquio, Marilyn fez uma performance para os militares que serviam na Coreia. A sua presença causou quase um motim, e Joe se mostrava claramente incomodado com aqueles milhares de homens desejando sua mulher. Ela era muito cobiçada, sua beleza chamava atenção e isso causava brigas e ciúmes com todos os homens com quem se relacionou.
    Infelizmente, a fama de Marilyn e sua figura sexual tornaram-se um problema em seu casamento. Nove meses depois, no dia 27 de outubro de 1954, Marilyn e Joe se divorciaram. Eles atribuíram a separação a "conflitos entre carreiras", e permaneceram bons amigos.
    Em 1955 Marilyn estava pronta para livrar-se da imagem de furacão loiro. Isso tinha dado a ela o estrelato, mas agora tinha a oportunidade e a experiência, Marilyn queria seguir com seriedade a carreira de atriz, queria experimentar novas sensações e poder mostrar que era mais que uma mulher que atiçava o imaginário sexual dos homens. Ela mudou-se de Hollywood para Nova York, para estudar na escola de atores de Lee Strasberg. Em 1956, Marilyn abriu sua própria produtora, Marilyn Monroe Productions. A empresa produziu os filmes Bus Stop (br: Nunca Fui Santa, 1956), de Joshua Logan e The Prince and the Showgirl (br: O Príncipe Encantado, 1957), dirigido e coestrelado por Sir Laurence Olivier. Esses dois filmes serviram para Marilyn mostrar seu talento e versatilidade como atriz. Em 1959, Marilyn brilhou em Some Like It Hot (br/pt:Quanto Mais Quente Melhor), (Some Like It Hot), de Billy Wilder, e teve seu trabalho reconhecido ao vencer o Globo de Ouro de "Melhor Atriz em Comédia".

    Marilyn em O Pecado Mora ao Lado (The Seven Year Itch).
    No dia 29 de junho de 1956 Marilyn casou-se com seu novo namorado, odramaturgo Arthur Miller. O casal se conheceu através de Lee Strasberg, e amigos disseram que ela o deixava de "joelhos bambos". Enquanto eles estavam casados, em 1961, Arthur escreveu o papel de Roslyn Taber de The Misfits (br: Os Desajustados), especialmente para Marilyn. Dirigido por John Huston e coestrelado por Clark Gable e Montgomery Clift, este acabou sendo o último filme completo de Marilyn e a despedida das telas de Gable.
    Infelizmente, o terceiro casamento de Marilyn terminou, dessa vez no dia 20 de janeiro de 1961. A data do divórcio, ocorrido no México, foi escolhida por ser o dia da posse do presidente John F. Kennedy, nos Estados Unidos, numa tentativa de manter a separação fora das manchetes. A tática não funcionou e mais uma vez a vida de Marilyn foi alvo de fofocas, escândalos, capas de jornais e revistas pelo mundo.
    Marylin já era amante de Kennedy muito antes dele entrar na Casa Branca. Kennedy ficara obcecado por ela durante sua recuperação de uma operação na coluna que o deixou imobilizado. Seu irmão Bobby pendurou, de cabeça para baixo, um poster onde Marilyn vestia um blusa decotadíssima, um short curto e estava de pernas totalmente abertas, em frente à cama do seu quarto e isso fez Kennedy ficar loucamente atraído por ela.
    O caso entre eles teve início depois de seu divórcio de Joe di Maggio e continuou enquanto ela esteve casada com Arthur Miller. Eles se encontravam na suíte dele do Carlyle Hotel, em Nova Iorque, ou na casa de praia de Peter Lawford, em Santa Monica. O FBI grampeou a casa de praia de Lawford e John Edgar Hoover, o chefe do FBI, usou as gravações para manter seu cargo quando Kennedy tentou demiti-lo. Hoover também insinuou que alguém mais havia grampeado a casa - a Máfia, com que Kennedy cruzara durante as eleições.
    Robert Kennedy, o irmão mais novo do presidente, por vezes se relacionava com as mulheres de John. Era o chefe de Hoover e, como procurador federal, estava determinado a acabar com a Máfia. Advertira o presidente para deixar Marilyn, pois os chefes mafiosos poderiam usar o caso contra ele, já que seria um escândalo se a mídia soubesse que ele mantinha um caso fora do casamento.
    Apesar de suas ilusões, Marilyn sabia que Kennedy desejava apenas a estrela cintilante de cinema, não a mulher que era. Ele pretendia livrar-se dela com elegância, pois esse relacionamento lhe prejudicaria perante os poderosos da política. Marylin, então resolveu dar um grande presente a Kennedy, dar a ele um último momento de glória: Em seu aniversário, Peter Lawford levou-o à sede do Partido Democrático, onde ela cantou com voz lasciva "Feliz aniversário, senhor presidente". Ela estava com um belo vestido que o diplomata Adlai Stevenson descreveu como feito de "pele e pérolas. Só que não vi as pérolas." John Kennedy disse: "Já posso me retirar da política, depois de ter ouvido este feliz aniversário cantado para mim de modo tão doce e encantador."
    Na premiação do Globo de Ouro de 1962 Marilyn foi nomeada a "personalidade feminina favorita de todo cinema mundial".

    A morte

    Na manhã de 5 de agosto de 1962, aos 36 anos, Marilyn faleceu enquanto dormia em sua casa em Brentwood, na Califórnia. A notícia foi um choque, propagada pela mídia, explorando sobretudo o caráter misterioso em que o fato se deu, prevalecendo a versão oficial deoverdose pela ingestão de barbitúricos. O brilho e a beleza de Marilyn faziam parecer impossível que ela tivesse deixado a todos. Ninguém sabe de fato o que aconteceu naquela noite. Ouviu-se o barulho de um helicóptero. Uma ambulância foi vista esperando fora da casa dela antes que a empregada desse o alarme. As gravações de seus telefonemas e outras evidências desapareceram. O relatório da autópsia foi perdido. Toda a documentação do FBI sobre sua morte foi suprimida e os amigos de Marilyn que tentaram investigar o que acontecera receberam ameaças de morte.[carece de fontes] No dia 8 de agosto de 1962, o corpo de Marilyn foi velado no Corridor of Memories, nº 24, no Westwood Memorial Park em Los Angeles.
    Há suspeitas fortíssimas de que Marilyn foi sufocada até a morte pela máfia, um grupo terrorista que assassina pessoas. Eles tinham ligação com Keneddy e ele era amante há anos de Marilyn, a máfia pode ter descoberto esse envolvimento e como precaução, já que Marilyn poderia saber da máfia, eles a assassinaram, para que ela não denunciasse a polícia que esse grupo terrorista estaria ameaçando a vida de Kennedy.[carece de fontes]



    Barbitúrico é o nome dado a um composto químico orgânico sintético derivado do "ácido barbitúrico". Foi descoberto por Adolf Von Baeyer em 1864.
    A substância é chamada de "malonilureia ou hidropirimidina". Esta substância resulta da união do ácido malônico com a ureia de onde se podem derivar substâncias com uso terapêutico. É um grupo de substâncias depressoras do Sistema nervoso central. São usados como antiepilépticos, sedativos e hipnóticos. Os barbitúricos têm uma pequena margem de segurança entre a dosagem terapêutica e tóxica. 

    Filmografia

    AnoTítuloTítulo em português[1][2][3]PapelDiretorObs.
    1947The Shocking Miss PilgrimOperadora telefônicaGeorge SeatonNão-creditada
    1947Dangerous Yearsbr: Idade PerigosaEvieArthur Pierson
    1948Green Grass of WyomingFigurante na cena de dançaLouis KingNão-creditada
    1948You Were Meant for MeFiguranteLloyd BaconNão-creditada
    1948Scudda Hoo! Scudda Hay!br: Torrentes de ÓdioBettyHugh HerbertNão-creditada
    1948Ladies of the Chorusbr: Mentira SalvadoraPeggy MartinPhil Karlson
    1949Love Happybr: Loucos de AmorCliente de GrunionDavid Miller
    1950A Ticket to Tomahawkbr: O Que Pode um BeijoClaraRichard SaleNão-creditada
    1950Right Crossbr: Por um AmorDusky LedouxJohn SturgesNão-creditada
    1950Home Town Storybr: Em Cada Lar, Um RomanceIris MartinArthur Pierson
    1950The Fireballbr: O FaíscaPollyTay Garnett
    1950The Asphalt Junglebr: O Segredo das JóiasAngela PhinlayJohn Huston
    1950All About Evebr: A MalvadaSrta. Claudia CaswellJoseph L. Mankiewicz
    1951As Young as You Feelbr: Sempre JovemHariettHarmen Jones
    1951Love Nestbr: O Segredo das ViúvasRoberta "Bobbie" StevensJoseph M. Newman
    1951Let's Make It Legalbr: Joguei Minha MulherJoyce ManneringRichard Sale
    1952O. Henry's Full Housebr: Páginas da VidaAndarilhaHenry Koster
    1952Monkey Businessbr: O Inventor da MocidadeLois LaurelHoward Hawks
    1952Clash by Nightbr: Só a Mulher PecaPeggyFritz Lang
    1952We're Not Married!br: Travessuras de CasadosAnabel NorrisEdmund Goulding
    1952Don't Bother to Knockbr: Almas DesesperadasNell ForbesRoy Ward BakerPrimeiro papel de protagonista
    1953Niagarabr: Torrentes de PaixãoRose LoomisHenry Hathaway
    1953Gentlemen Prefer Blondesbr/pt: Os Homens Preferem as LoirasLorelei LeeHoward HawksIndicado para o Globo de Ouro de melhor atriz - longa-metragem musical ou comédia
    1953How to Marry a Millionairebr: Como Agarrar um MilionárioPola DebevoiseJean Negulesco
    1954River of No Returnbr: O Rio das Almas PerdidasKay WestonOtto Preminger
    1954There's No Business Like Show Businessbr: Mundo da FantasiaVickyWalter Lang
    1955The Seven Year Itchbr: O Pecado Mora ao LadoA GarotaBilly Wilder
    1956Bus Stopbr: Nunca Fui SantaChérieJoshua Logan
    1957The Prince and the Showgirlbr: O Príncipe EncantadoElsie MarinaLaurence Olivier
    1959Some Like It Hotbr/pt: Quanto Mais Quente MelhorSugar Kane KowalczykBilly Wilder
    1960Let's Make Lovebr: Adorável PecadoraAmanda DellGeorge Cukor
    1961The Misfitsbr: Os DesajustadosRoslyn TaberJohn Huston
    1962Something's Got to GiveEllen Wagstaff ArdenGeorge CukorInterminado

    Curiosidades


    A cripta de Marilyn Monroe.

    Marilyn Monroe no filme Os Homens Preferem as Loiras
    • Durante sua carreira, Marilyn atuou em 30 filmes e deixou por terminar Something's Got to Give. Seu nome representa ainda hoje mais que uma estrela de cinema e rainha do glamour, sendo para muitos um ícone, sinônimo de beleza e sensualidade.
    • Marilyn Monroe personificou o glamour de Hollywood com incomparável brilho e energia que encantam o mundo até hoje.
    • Em abril de 2008 um filme de Marylin Monroe fazendo felação num homem não identificado foi vendido pelo colecionador Keya Morgan por 1,5 milhão de dólares a um empresário rico de Manhattan que quer proteger a privacidade de Marilyn Monroe. "O cavalheiro que o comprou disse que, por respeito a Marilyn, não vai transformar as imagens em brincadeira, colocá-las na Internet ou tentar explorá-las", disse Morgan."Não é essa a intenção dele, e eu não envolveria meu nome na transação se isso fosse acontecer." Morgan, que assistiu ao filme, disse que Marilyn Monroe está vestida e que a cabeça do homem fica fora do quadro durante os 15 minutos do filme.[4]
    • Uma gravação caseira e inédita de Marilyn Monroe, durante a rodagem do filme Quanto Mais Quente Melhor, foi leiloada na Austrália, em Setembro de 2008, por 14.624 dólares (10.010euros). O filme foi rodado com uma câmara Super 8, dura dois minutos e mostra a atriz a contracenar com Tony Curtis e Jack Lemmon.
    • Em 2009, foi encontrado no porão de uma casa em Nova Jersey um vídeo que mostra a diva de Hollywood em uma festa informal. O vídeo, que foi gravado no final da década de 50, mostra Marilyn fumando. A afirmação foi feita por um dos presentes na festa (que não quis se identificar), o mesmo que forneceu a droga (ou cigarro?). O vídeo foi leiloado por US$ 275 mil e arrematado pelo colecionador Keya Morgan, que prepara um documentário sobre a morte da atriz.
    Sem provas não há condenção, In dubio, pro reo.  ---/
    • Em 1953, Marylin Monroe foi a queridinha da Playboy, em sua primeira edição.

    Referências

    1.  LEPIANE, João, Galeria de Estrelas - Marilyn Monroe, in Cinemin 78 (5a. Série), Rio de Janeiro: EBAL, 1992, mensal
    2.  Astros e Estrelas, Volume 1, São Paulo: Nova Cultural, 1985
    3.  WLASCHIN, Ken, The World's Great Movie Stars and Their FilmsLondresInglaterra: Peerage Books, 1985
    4.  Filme com Marilyn fazendo sexo oral é vendido por US$ 1,5 mi  terra. (Abril, 2008).

    Ligações externas

    0 comentários:

    Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
     
    ↑Top