31 julho 2012

Monaco Royal Charlotte Casiraghi swaps heels for loafers in new low-key campaign for Gucci



Charlotte Casiraghi was last seen rocking an equestrian look as the face of Gucci.
Now, the 25-year-old has been photographed by the Italian fashion house in a more relaxed environment; a luxurious living room suited to a young Monaco Royal like herself.
Two images of the brunette beauty posing in the label's Fall 2012 campaign have been unveiled, showcasing Miss Casiraghi in casual attire yet looking no less glamorous.
Natural beauty: Charlotta Casiraghi, the young Monaco royal, has appeared in her second campaign for Italian fashion house Gucci. The campaign takes on a relaxed approach, showing the beauty lounging about a luxurious living room
Natural beauty: Charlotta Casiraghi, the young Monaco Royal, has appeared in her second campaign for Gucci. The campaign takes on a relaxed approach, showing the beauty lounging about a luxurious living room
The striking young woman, who is also an amateur show jumper, wears the brand's signature loafers in both images; a black pair and a lighter coloured pair.
One image in the 'Forever Now' series captures her sitting on the ground, leaning against a sofa where her head rests on her arm.
Photographed by Inez Van Lamsweerde and Vinoodh Matadin, she wears a silk blouse that has been tucked into a pair of rolled-up denim jeans, the white loafers poking out at the bottom of the shot.
 

The model is surrounded by books, another fitting set detail as the young Royal is a fan of literature, dabbling as a journalist after creating her own fashion magazine Ever Manifesto in 2009, which was distributed at Milan and Paris Fashion Weeks that year.
The other image shows the royal curled up on the sofa, reading one of the books that had previously been surrounding her.
Intense: The young royal is seen surrounded by books, picking one of them up to 'read' in the above shot
Intense: The young Royal is seen surrounded by books, picking one of them up to 'read' in the above shot
She is stern in both images, her natural beauty shining through.
Miss Casiraghi is, after all, the granddaughter of Grace Kelly.
She wears a white blouse in the black and white photograph, paired with a pair of trousers, her hand running through her long mane of brunette locks.
Royal touch: The stunning brunette was seen on the red carpet at Cannes Film Festival in May
Royal touch: The stunning brunette was seen on the red carpet at Cannes Film Festival in May
It is an equally-stunning campaign to the one the brand unveiled back in March.
Paying tribute to her equestrian talents, the shoot, by photographer Peter Lindbergh, took place at a snowy stable.
Miss Casiraghi was seen leaning against a hay bale in the final shot with her hair loose and tousled and a scarf tied around the forehead. Her make-up was minimal and her riding boots were glimpsed in the bottom of the frame.
She also wore a red riding jacket and high-necked black shirt, all most likely part of the riding kit that Gucci exclusively created for her to compete in.
Behind-the-scenes footage from the shoot obtained showed Miss Casiraghi posing with a horse as well. 
Clearly at ease with the animals, she seemed in control as she guided its head in order that it is at the best angle for the photographer, and unfazed by the freezing conditions.
Of course the equestrian theme is an important one for Gucci too. Mr Gucci was inspired to use that now-signature red-and-green stripe in the first campaign after seeing it on a horse's saddle in the Fifties.
Though Royals rarely front fashion campaigns - certainly the Duchess of Cambridge and Princesses Beatrice and Eugenie would be unlikely to do so - Miss Casiraghi and Gucci's creative director share a bond which led to the signing.
Frida Giannini explained: 'Over the last two years I have had the pleasure and privilege to get to know Charlotte through our shared passion for horses.
'She not only embodies the beauty and the grace of the equestrian, but is also a wonderful ambassador for the sport.'
Miss Casiraghi was equally full of praise for Ms Giannini, adding: 'I admire Frida’s talent as a designer and she has really managed to reinvent the codes of Gucci by giving them a modern twist and a timeless elegance.'
Star appeal: The model took on an equestrian look in her debut campaign for Gucci, unveiled in March (above)
Star appeal: The model took on an equestrian look in her debut campaign for Gucci, unveiled in March (above)
Skills: The Royal beauty is also an amateur show jumper, seen riding one of her horses above in 2002
Skills: The Royal beauty is also an amateur show jumper, seen riding one of her horses above in 2002
The young Royal follows in the footsteps of the Queen's granddaughter, Zara Phillips, who fronted a campaign for a range of equestrian clothing for British firm Musto in 2010.
Miss Casiraghi had been dating model Alice Dellal's brother, Alex, for four years but is rumoured to now be dating French actor Gad Elmach.

http://www.dailymail.co.uk/femail/article-2181682/Monaco-Royal-Charlotte-Casiraghi-new-campaign-Gucci.html


* * * Se você gostou do meu blog, por favor, siga-me via Google Friend Connect (canto superior direito) , via Bloglovin.***
***No Facebook e no Twitter.***

¸.•°*”˜˜”*°• ..¸.•°*”˜˜”*°•.☻/ღ˚ •* ♥ ˚ ˚✰˚ ˛★* ღ˛° * °♥ ˚ • ★ *˚ .ღ /*˛˚ღ •˚ ˚ ✰✰˚* ˚ ★/ \ ˚. ★ *˛ ˚♥* ✰˚ ˚ღ* ˛˚ ♥ 。✰˚* ˚ ★`⋎´✫¸.•°*”˜˜”*°•✫..✫¸.•°*”˜˜”*°•.✫°



29 julho 2012

Batom Vermelho




O batom é da MACcor Ruby Woo e custa R$ 79







Miriam usa Lune 03





O batom MAC, cor Ruby Woo











adele grammy Adele no Grammy 2012




oscar-2012-angelina-jolie-atriz-maquiagem-batom-vermelho














Mulheres com pele clara ficam melhor com os tons mais abertos puxados para o laranja e vermelhos mais vivos, já as morenas podem se jogar nos vermelhos mais fechados e puxados para os tons vinho e as negras podem abusar dos vinhos escuros que são lindíssimos.


Para se jogar  nos vermelhões é importante estar com os lábios hidratados, sempre! E algumas cores são tipo coringas:  o Ruby Woo da Mac é muito usado pelas famosas, mas podemos encontrar opções bem baratas e parecidas com ele, como, por exemplo, o 330 da Intense, o Really Red da Revlon e o Vermelho Mate da Koloss. A Avon tem várias opções lindas de vermelho, entre elas o Vermelho Matte que também é primo pobre do Ruby Woo e o Melancia (daqueles bem baratinhos) que está bem em alta nessa estação.









Essencial Perfumaria
2 e 4 – O Boticário 
3 e 5 – Contém 1g
6 – Água de Cheiro


Amanhã começa as aula de Desing de Interiores. Acabou as férias, afff....  :-/

* * * Se você gostou do meu blog, por favor, siga-me via Google Friend Connect (canto superior direito) , via Bloglovin.***
***No Facebook e no Twitter.***

¸.•°*”˜˜”*°• ..¸.•°*”˜˜”*°•.☻/ღ˚ •* ♥ ˚ ˚✰˚ ˛★* ღ˛° * °♥ ˚ • ★ *˚ ./*˛˚ღ •˚ ˚ ✰✰˚* ˚ ★/ \ ˚. ★ *˛ ˚♥* ✰˚ ˚* ˛˚ ♥ 。✰˚* ˚ ★`⋎´✫¸.•°*”˜˜”*°•✫..✫¸.•°*”˜˜”*°•.✫°


The magic red sweater that turned 'Norma Jeane, string bean' into Marilyn Monroe the sex symbol



She was discovered by chance on a wartime production line and propelled to Hollywood stardom - or so the myth goes.
But, as the 50th anniversary of her death approaches, we reveal Marilyn Monroe's 'natural beauty' was, in fact, the product of meticulous calculation. And her campaign began while she was still at school...
Typing cool: Marilyn strikes a pose in 1946. It was her 'magic red sweater' that helped catapult her into the limelight
Typing cool: Marilyn strikes a pose in 1946. It was her 'magic red sweater' that helped catapult her into the limelight
It all started with a red cardigan. The ‘sweater girl’ look, launched by Lana Turner in the 1937 film They Won’t Forget, was coming into vogue across America. But it hadn’t reached Emerson Junior High School, Los Angeles – until Norma Jeane Mortenson, or Marilyn Monroe as she was later to be known, found her own distinctive way.
Teenage girls in that era often wore a front-buttoned cardigan over a white blouse with a prim collar. Norma Jeane eliminated  the blouse as well as the bra and camisole worn under it. She then took a red cardigan, turned it around, and buttoned it up the back. The sweater clung to her breasts; she called it her ‘magic sweater’. 
And so began one of the most remarkable transformations in the history of Hollywood – a time-consuming and often quite inspired campaign to turn an abandoned girl, mocked by her classmates, into the sexual icon of the age.
The fact was that Norma Jeane didn’t think that she was beautiful,  a point of view she retained even when she was celebrated as the most beautiful woman in the world.
Indeed, the years between the age of nine and 12 had been unhappy ones. She had already reached  her adult height of 5ft 6in, making her much taller than her peers.
Budding beauty: Marilyn in the 1940s
Budding beauty: Marilyn in the 1940s
Flat-chested, with short and scraggly hair, she looked like a boy. Her school classmates made fun  of her, calling her ‘Norma Jeane, string bean’ or ‘Norma Jeane, human bean’.
But by the summer that followed her 12th birthday, her breasts and hips had grown and she attracted boys. Realising her appeal, she devised  a strategy.
After the ‘sweater’, came a pair of tight blue jeans. When the school head teacher warned her they were immodest, she wore a tight skirt instead.
Shocking the girls  and intriguing the boys, she also wore a lot of make-up – a habit that would prove invaluable during her Hollywood years.
Her primping paid off. Emerson boys began walking her home and vying for her attention. When her name was mentioned in a class, the boys sometimes breathed  a collective sigh. ‘Mmmm . . . ’
Even the girls noticed  her, since she was winning the competition among them for boys – an important part of their culture.
As graduation approached, she was elected the school’s Oomph Girl of 1941.
Norma Jeane had other skills  at school, too. She began to show an appealing wit, often directed  at herself. Despite her poor grades, she was a good writer and she contributed articles to the school newspaper, including one on the ideal dream girl for men.
She often struggled to get her words out – she stuttered – but this did not end her aspirations to be an actress. She would go to the movies and then act out the roles in her bedroom, practising body movements and facial expressions in front of a mirror until she got every gesture right.
She noticed that many film actresses had previously been  models, so that would be her route too: she would first be a model and then act in films.
In December 1944, she was working at the Radioplane factory where the first aerial drones were made when a film crew visited to make  a training movie. David Conover,  a pin-up photographer, was among them. When he saw Norma Jeane  he was immediately attracted, and asked if he could photograph her. 
He told her to put on a sweater, since he was taking ‘morale-boosting’ photos and the shape of her body needed to show. Needless to say, she obliged.
 Within two years she was a leading West Coast pin-up model and a contract player at Twentieth Century-Fox studios. It took her six more years and a change  of name to achieve stardom, but  she demonstrated creativity, guts, and a major ability at manipulation in achieving it. Those early lessons at Emerson School were paying off.
An astute observer of human behaviour, Marilyn knew men liked the little-girl look, while it stirred women’s maternal feelings. But she could drop the childlike persona in a heartbeat to become the sexy Marilyn of the pin-ups.
The Hollywood fan magazines at the time were calling for a more extreme sex symbol to compete with sultry Italian actresses such as Gina Lollobrigida who were invading Hollywood.
Marilyn saw her future: she created the synthetic sex symbol which would give her all the stardom she could have wished for, but would exact a terrible price.  There was little that she could do  to alter her legs, too short for the fashion ideal, her hips were broad and, from some angles, she looked double-chinned. 
Make-up, lighting and camera angles hid some of these deficiencies. But then it was decided that her gum lines were too visible,  so she was told to lower her upper lip when she smiled.
Marilyn was told to lower her upper lip when she smiled because her gums were too visible
Marilyn was told to lower her upper lip when she smiled because her gums were too visible
She practised lowering it in front of a mirror until she got it right, but she never managed to eliminate the quivering upper lip that is apparent in her films.
During the early Fifties she had surgery to remove the bump on the end of her nose and insert a plate in her chin to give it more definition. It wasn’t wholly successful but Marilyn was also becoming masterful  at self-publicity.
She went to Hollywood cocktail parties because journalists attended them, and a clever self-presentation might get a line in a gossip column.
Part of her strategy was to arrive late and make an entrance. She wore a black or bright-red dress, moulded to her body, cut very low, nearly exposing her nipples.
She felt she had to do it. ‘Going  out socially,’ Marilyn wrote, ‘was the hardest part of my campaign  to make good.’
Marilyn used her body to attract reporters. She frequently didn’t wear knickers, purportedly so they didn’t spoil the line of her tightly fitted dresses, but she knew it also gave men tantalising flashes of naked flesh. According to columnist Joe Hyams: ‘She would knock your knees under the table; vamp you from time to time.’
To charm journalist Jim Henaghan, she stood up and turned around so that her buttocks faced him. She asked him if her skirt was tight enough. Henaghan thought: ‘This little animal is learning.’
She was also picking up on-camera tricks. Lauren Bacall was annoyed by Marilyn’s habit of looking at her forehead rather than her eyes: looking up made the eyes seem larger.
A perfectionist, Marilyn spent hours at the make-up table. Part of the bump on her nose remained even after surgery, so she covered it. She had freckles on her skin and hair on the sides of her face that she also concealed with make-up. She put on fake  fingernails to cover up the ragged edges of the ones she had bitten.
To make her lips larger and more lustrous, she applied four layers  of lipstick and drew her lip line outside its natural shape.
... and the truth about THAT photo
She put Vaseline on her lips to make them look wet. It was part of what her clothes designer, William Travilla called her ‘f***-me’ look, especially when she held her lips in an O, as she often did.
She would darken the mole on  her face near her mouth to draw attention to them and used eyebrow pencil to darken her eyebrows and make them heavy and straight.
‘Whitey’ Snyder, her personal make-up artist, said she knew techniques that she kept secret even from him: one was to put white make-up on her eyelids to make her eyes seem larger.
Although it could take up to three hours to get her look right, if she found the slightest flaw she would take it all off and start again.
She used special creams and often went for facials at Elizabeth Arden’s in New York. To intrigue her fans, in her early movie career she changed her shade of blonde for each film.
‘Some girls prefer to change hats,’ she said. ‘I just prefer to change my hair colour.’
That hair remained difficult. She had it straightened and then re-permed into soft curls. Her widow’s peak gave her problems, because its roots didn’t take dye well. The lock of hair that often falls casually over her eye in photos was teased into place to hide those roots.
With typical Marilyn aplomb she once said: 'I like to be really dressed up or really undressed. I don¿t bother with anything in between'
With typical Marilyn aplomb she once said: 'I like to be really dressed up or really undressed. I don¿t bother with anything in between'
After about 1949 there are no photographs  of her with her naturally kinked brown hair. Being blonde  had become central to who Marilyn was.
She liked dresses that were strapless or with a low V-neckline, and she wore them with dangling  diamond earrings to draw attention to her bust and face. She often said she didn’t wear jewellery, but she meant necklaces.
Even then she wore pearls, a standard fashion accessory, because they have a reflective lustre that softens the face.
As she moved into her elegant phase in the mid-Fifties, she often wore black. In 1954 she said she loved to wear clinging black dresses and black gloves up to her shoulder.
It was a look that combined elegance with eroticism. The long gloves, adopted by striptease artists in the Thirties, could take time to get off.
With typical Marilyn aplomb she said: ‘I like to be really dressed up or really undressed. I don’t bother with anything in between.’
She even chose her shoes for maximum effect. After 1951, when stiletto heels arrived, Marilyn made them part of her signature style because she knew men found them sexy and they made her legs look longer.
Making of Hollywood icon: Marilyn Monroe... actress, singer and model
Making of Hollywood icon: Marilyn Monroe... actress, singer and model
Some Hollywood writers accused her of knowing nothing about fashion, but in 1952 she hit back: she was too buxom, she said, to wear Parisian fashions. Like most women, she didn’t have a boys’ figure, as did the Parisian models. In ordinary life Marilyn dressed casually: T-shirts, capri pants and pedal pushers.
When she was broke, in her younger years, she bought blue jeans at army-surplus stores, wore them into the sea, and then let them dry to the shape of her body, giving a tight fit.
That moment when she was spotted on the factory production line might have been a stroke of good fortune, but it would have happened anyway, if not that day, then on another.
Even when she was on the threshold of global fame in Hollywood, Marilyn knew how to get what  she wanted.
In her own words, she summed up her approach: ‘As soon as I could afford an evening gown, I bought the loudest I could find. It was a bright-red, low-cut gown and it infuriated half the women in the room because it was so immodest.
‘I was sorry in a way to do this, but I had a long way to go, and I needed a lot of advertising to get there.’
Marilyn: The Passion And The Paradox, by Lois Banner, is published by Bloomsbury, priced £20. To order your copy  for £15.99 inc p&p, call the Review Bookstore on 0843 382 1111 or go to mailshop.co.uk/books.
Marilyn: Intimate Exposures,  by Susan Bernard, is published  by GMC Distribution, priced £25. For your copy at £19.99 inc p&p, contact the Review Bookstore or website as above.


http://www.dailymail.co.uk/home/index.html



* * * Se você gostou do meu blog, por favor, siga-me via Google Friend Connect (canto superior direito) , via Bloglovin.***
***No Facebook e no Twitter.***

¸.•°*”˜˜”*°• ..¸.•°*”˜˜”*°•.☻/ღ˚ •* ♥ ˚ ˚✰˚ ˛★* ღ˛° * °♥ ˚ • ★ *˚ ./*˛˚ღ •˚ ˚ ✰✰˚* ˚ ★/ \ ˚. ★ *˛ ˚♥* ✰˚ ˚* ˛˚ ♥ 。✰˚* ˚ ★`⋎´✫¸.•°*”˜˜”*°•✫..✫¸.•°*”˜˜”*°•.✫°




Projeto paisagístico em sacada valoriza cenário natural privilegiado


Vasos de floríferas e de frutíferas decoram recanto do descanso no ambiente com vista para beira-mar em Florianópolis


Projeto paisagístico em sacada valoriza cenário natural privilegiado Fernando Willadino/Especial

Projeto paisagístico aproveita alguns móveis preexistentes e valoriza a bela vista com um guarda-corpo de vidro
Foto: Fernando Willadino / Especial


Como a morada anterior era uma casa, o desejo da proprietária deste apartamento de 219 metros quadrados com vista para o mar no Centro de Florianópolis partia da existência de uma área verde na sacada,como se fosse um jardim. Descartada a mudança estrutural no ambiente em formato de L de 23 metros quadrados, o projeto paisagístico da arquiteta Bárbara Godeny aproveita alguns móveis preexistentes e valoriza a bela vista com um guarda-corpo de vidro.
– No canto da sacada que tinha a melhor vista da Avenida Beira-Mar alocamos a área de descanso, aproveitando a poltrona e o conjunto de velas vegetação – explica Bárbara.
Na área de descanso, vasos cerâmicos de diferentes alturas envolvem a poltrona de leitura. Completam a área três vasos altos de cimento esmaltado marrom com buxos. Bárbara inseriu novas poltronas e sofá de madeira com almofadas para a área de estar.

Detalhe da estrutura da horta, feita de ferro com vasos cerâmicos esmaltados, onde foram plantados temperos variados, como manjericão roxo, pimenta, tomilho manjericão verde, manjerona e salsinha.
Em lugar de mesa para a churrasqueira, um carrinho, da casa anterior, mantido como apoio multifuncional – tábua de carnes e guarda utensílios. Nesta área foi projetado um jardim vertical com vasos tipo meia-lua,fixados em tela metálica com acabamento em moldura de madeira. Foram escolhidas espécies de folhagem e flores de meia-sombra, já que o sol incide durante a manhã.
* * * Se você gostou do meu blog, por favor, siga-me via Google Friend Connect (canto superior direito) , via Bloglovin.***
***No Facebook e no Twitter.***

¸.•°*”˜˜”*°• ..¸.•°*”˜˜”*°•.☻/ღ˚ •* ♥ ˚ ˚✰˚ ˛★* ღ˛° * °♥ ˚ • ★ *˚ ./*˛˚ღ •˚ ˚ ✰✰˚* ˚ ★/ \ ˚. ★ *˛ ˚♥* ✰˚ ˚* ˛˚ ♥ 。✰˚* ˚ ★`⋎´✫¸.•°*”˜˜”*°•✫..✫¸.•°*”˜˜”*°•.✫°

26 julho 2012

No Brasil, 54% dos aposentados ganham um salário mínimo

Mais de um quarto deles precisa da ajuda financeira dos filhos, parentes e amigos. Quase um terço dos que se declaram aposentados trabalha para complementar seu benefício, que, na maior parte dos casos, não supera um salário mínimo. E, ainda assim, "os idosos brasileiros estão mais protegidos da pobreza que o resto da população -e que os idosos dos países vizinhos".


GUSTAVO PATU
da Folha de S.Paulo, em Brasília

2012
01/01/2012
R$ 622,00 POR MÊS
R$ 20,73 POR DIA
R$ 2,83 POR HORA
REALDECRETO 7.655, DE 23/12/2011
DOU 26/12/2011
Aposentados comemoram seu dia sem vencer luta pelo reajuste real dos benefícios


















- Será mesmo que os idosos brasileiros estão mais protegidos?!
Bem... Vejamos:
A maioria recebe 1 salário mínimo
, depende do SUS, o qual, todos já sabem muito bem como funciona, ou melhor, o descaso com a saúde pública é enorme!


Em alguns casos, como o que ocorre  em minha casa. Minha Mãe contribuiu, mais que um salário mínimo na época em que se aposentou, quando começou a receber o "Benefício", sim! Pois, não deve ser chamado de benefício, por algo que é de DIREITO,  pois, contribuiu para o recebimento da aposentadoria, ela não recebeu de " graça "!!! Pois bem, ela já recebeu o valor bem menor ao qual ela contribuiu! E, certamente, ela não é a única!
Estamos em época de eleição, vou analisar muito bem... Pois, a Srª Dilma, parece que se esqueceu dos contribuintes, aqueles... que hoje se ela não fosse nossa Presidenta, ou não estivesse na política, receberia esta aposentadoria medíocre, será que ela acharia JUSTO?!
Esses contribuintes, já foram jovens, trabalharam, muito e, em contrapartida recebem muito pouco e ainda são taxados de vagabundos pelo Sr° Fernando Henrique Cardoso (mostro no vídeo, logo a cima do texto).

Quando os gastos podem ser ainda maiores, pois, a maior parte desses idosos, encontram-se com a saúde debilitada. Seja pela idade ou pela falta de boa alimentação.
Aos aposentados "jovens" (+ ou -) 50 anos de idade), que certamente começou a trabalhar muito cedo, mais ou menos entre 12 e 14 anos de idade, por necessidade é claro! E, esses, os empregadores não dão mais a chance de continuar trabalhando, por causa da idade, então, é justo chama-los de vagabundos!?

Aos senhores políticos: mais respeito as pessoas !!!!
Sobre o que versa em nossa Carta Magna, a lei das leis, a nossa Constituição...Principalmente o art. 1°, § III, a dignidade da pessoa humana?
É, alguns anos de faculdade de Direito não me fizeram mau, pena que não pude completar meus estudos por falta de $$$!!!






Quero JUSTIÇA! Viver em um país JUSTO!!!


     Bem-aventurados os que têm fome e sede de justiça, pois serão satisfeitos. Mateus 5.6



Na introdução de sua obra Filosofia do Direito, o Filósofo alemão Georg Wilhelm Friedrich Hegel (1770-1830), escreve o seguinte.
Quando a filosofia pinta cinza sobre o grisalho,
uma forma de vida já envelheceu e, com o cinza
sobre cinza não se pode rejuvenescer, apenas reconhecer;
A coruja de Minerva alça seu vôo
somente com o início do crepúsculo.

Bom, quando estava na faculdade de Direito, a Deusa da Justiça, seu nome era Themis e não Athena como no site http://www.esdc.com.br/CSF/artigo_palasathena.htm...


A justiça sustenta numa das mãos a balança que pesa o direito, e na outra, a espada de que se serve para o defender. A espada sem a balança é a força brutal; a balança sem a espada é a impotência do direito”  
                       (Rudolf von Ihering)

Bom, quando estudei na faculdade de Direito (na ULBRA e no IPA), meus colegas acadêmicos de Direito, aprendemos com os nossos professores e lemos em livros, que a deusa Themis, é da Justiça. Pois, a Justiça deve ser cega, a justiça é dar a cada um o que é seu. A faculdade de julgar segundo o Direito e melhor consciência.


* * * Se você gostou do meu blog, por favor, siga-me via Google Friend Connect (canto superior direito) , via Bloglovin.***
***No Facebook e no Twitter.***

¸.•°*”˜˜”*°• ..¸.•°*”˜˜”*°•.☻/ღ˚ •。* ♥ ˚ ˚✰˚ ˛★* 。 ღ˛° 。* °♥ ˚ • ★ *˚ .ღ 。/*˛˚ღ •˚ ˚ ✰✰˚* ˚ ★/ \ ˚. ★ *˛ ˚♥* ✰。˚ ˚ღ。* ˛˚ ♥ 。✰˚* ˚ ★`⋎´✫¸.•°*”˜˜”*°•✫..✫¸.•°*”˜˜”*°•.✫°

Ex Presidente Fernando Henrique Cardoso chama aposentados VAGABUNDOS

25 julho 2012

CRACK NEM PENSAR - Grupo RBS lança campanha

GURI DE URUGUAIANA - CRACK NEM PENSAR

Atores apoiaram a iniciativa, que questiona a atual lei que equipara usuários e traficantes








A Descriminalização das drogas não passa de uma ideia patife

Originalmente postado em 29 de outubro de 2009 alguns dados podem não estar atualizados.

Eu leio muitos foruns de jornais principalmente o do jornal O Globo. E invariavelmente leio posts dos defensores da liberação das drogas, com o argumentos que confundem fatos e até invertem valores de que a descriminalizarão da maconha eliminaria (ou aliviaria) o tráfico e a violência nas grandes cidades e capitais. Além de que a produção legalizada geraria novos impostos.

Sinceramente ao pensar friamente podemos até por um segundo fraquejar na nossa capacidade de raciocinar e achar que há fundamento nessa teoria. Os defensores sempre citam: "ah mas em Amsterdã fizeram isso, e lá funciona"

Será verdade?

Primeiro vamos analisar os casos:

Até Junho de 2009 estima-se que a população de Amsterdã seja de 761,262 habitantes.

Em São Paulo a estimativa é de: 11.037.593 de habitantes. Na cidade do Rio de janeiro é de 6.186.710. Digamos que por um milagre amanhã toda nossa população tivesse a mesma taxa de escolaridade média e ganhasse a mesma média salarial do amesterdanês talvez a teoria pudesse ter fundamento.

Vale lembrar que em Amsterdã os locais onde o consumo de drogas leves é liberado é em cafés e prostibulos no centro da cidade, mas tal paraíso tem outra face.

Entre os holandeses o consumo das drogas diminuíu, mas criou problemas graves de criminalidade entre os mais pobres e os turistas.

A cidade virou um templo mundial do consumo de heroína, cocaína maconha. O número de viciados, que dependiam do apoio do governo holandês cresceu imensamente, fazendo com que os recursos de outras áreas tivessem que ser direcionados ao tratamento de viciados.



O fato é que a experiencia Holandesa se tornou em um grande fracasso, pois o que conseguiram foi atrair uma legião de maconheiros de todo o mundo e legalizar o crime organizado que explora a venda de drogas e a prostiução. Culminando com a decadência do centro. Atualmente os governantes de Amsterdam estão se esforçando em diminuir essas facilidades para adquirir e consumir drogas. O mesmo acontece na Suiça.

Vejamos meus amigos eu estou falando de Amsterdã, ou Amsterdan aos que se sentirem incomodados.

Então creio que o exemplo usado pelos defensores chincheiros não iria dar certo no Brasil pelas mazelas já conhecidas de educação, saúde, segurança e emprego por aqueles que estejam minimamente sóbrios. Em poucas palavras: é algo idiota!

Estamos assistindo ao crescimento do consumo da mais mortal das drogas em nosso país: o crack, me preocupa muito esse tipo de pensamento vindo de gente supostamente esclarecida quando começam a pipocar casos de jovens mortas, pelos seus namorados viciados na dita cuja da pedrinha do mal, durante crises de abstinência. É preciso frizar que a maconha é uma porta de entrada para um vicio maior.

Se toda essa explicação não foi suficiente terei de apelar a algo visual.

Amy Whinehouse hoje e antes das drogas.

As pessoas que defendem essa ideia talvez se esqueçam do potencial destrutivo das drogas, e não venham me falar que a ideia somente se refere a maconha, pois vagabundo vai preferir comprar na mão do trafica que sai mais barato que comprar um maço de cigarro industrializado pela Souza Cruz.

Então onde se consegue uma erva, será fácil de se adquirir um papelote de pó ou de pedrinhas de crack (a nova sensação entre os doidões) se você que defende essa ideia não é cara-de-pau filho da puta de dizer que é mentira, sabe bem que essas drogas mais pesadas destroem o corpo, a sanidade e até a alma de uma pessoa que se torne dependente.


Isso é querer banalizar algo muito mais sério que a fumadinha inocente do filhinho de papai depois da escola. Até porque se esse filhinho tiver a tendência ao vício o cigarrinho será o primeiro passo que o levará a vender até sua privada ou a sua namorada a um traficante, ou o fundo do poço roubar e matar para obter mais drogas.
Não pretendo convencer uma pessoa que defenda a liberação caso ela seja usuária. Ela apenas deseja ter facilidade em satisfazer seu vicio e viver com um status de cidadão com direitos e sem a culpa de que ela é um dos pilares que sustentam a criminalidade juntamente com outros fatores que conhecemos.

O usuário é cúmplice do tráfico pois usa algo ilicito e vitima ao se tornar viciado ele não deve ser tratado como bandido e sim como um doente, mas acho que se dá liberdade demais e deveria haver alguma, mesmo que leve, punição talvez ser internado em uma clinica de reabilitação sem direito a questionar.

O bandido sempre irá existir, sempre irá achar uma oportunidade de ganhar dinheiro fácil. Se o tráfico acabar ele vai procurar outro meio. Para o viciado ficará as sequelas e o sofrimento de todos ao seu redor.



Nota: Sou radicalmente contra a liberação da venda da maconha, pois eu tenho pela certeza de que ela é o caminho de entrada para as demais. Assim como não aceito que se gaste dinheiro público para tratar dependentes químicos.








Os efeitos do crack no organismo

Forma menos pura da cocaína, o crack tem um poder infinitamente maior de gerar dependência, pois a fumaça chega ao cérebro com velocidade e potência extremas. Ao prazer intenso e efêmero, segue-se a urgência da repetição. Além de se tornarem alvo de doenças pulmonares e circulatórias que podem levar à morte, os usuários se expõem à violência e a situações de perigo que também podem matá-lo.

Clique na imagem ao lado e confira, em infográfico animado, os efeitos do crack no organismo e os riscos que ele impõe à saúde do usuário.



Maconha causa dependência?

O termo dependência em psiquiatria é aplicado: 
- Quando há consumo repetido de uma substância mesmo sabendo que ela está trazendo consequências físicas ou psicológicas.
- Quando um indivíduo consome grandes quantidades de uma substância durante longos períodos de tempo. 
- Quando o usuário tem dificuldades em reduzir a quantidade ou a frequência do consumo desta substância.
- Quando começa a surgir tolerância ao princípio ativo, sendo necessárias maiores doses para se atingir os efeitos desejados.
- Quando o usuário despende grande parte do dia tentando obter a droga, usando-a, e/ou se recuperando dos seus efeitos.
- Quando o tempo de lazer e de atividade física é substituído pelo tempo de uso da droga. 
- Quando o paciente sente sintomas físicos ou psicológicos se ficar muito tempo sem usar a droga. 

Ao contrário do que algumas correntes divulgam, a maconha pode causar dependência sim. Cerca de 30% das pessoas que experimentam a droga tornam-se usuários regulares e 10% criam dependência. Ou seja, 1 a 10 cada usuários se tornarão dependentes, uma taxa semelhante ao que ocorre com o álcool, porém, bem menor do que com o cigarro.

Usuários pesados podem apresentar síndrome de abstinência quando interrompem o seu uso crônico. Os sintomas podem durar semanas e incluem insônia, depressão, náuseas, agressividade, anorexia e tremores.

A maconha apresenta cerca de 60 derivados canabinóides diferentes sendo o tetrahidrocanabinol (THC) a substância mais psicoativa. Ao longo dos últimos 50 anos as concentrações de THC na maconha vêm aumentando progressivamente, saindo de cerca de 5% na década de 1960 para até 15% nos dias de hoje, o que justifica uma maior taxa de pacientes dependentes atualmente, apesar do pico de consumo ter ocorrido no final da década de 70, época em que mais 60% dos jovens admitiam usar a droga.

Também há clara relação entre o uso de maconha e uma maior chance de consumo de outras drogas. A maconha é a chamada porta de entrada para drogas mais pesadas. Um trabalho realizado na Alemanha em 2001 com jovens entre 14 e 24 anos consumidores regulares de maconha, evidenciou que os mesmo também consumiam outras drogas em taxas percentuais mais altas do que na população geral:

Álcool - 90%
Nicotina - 68%
Cocaína - 12%
Estimulantes - 9%
Alucinógenos - 6%
Opióides - 3%
Sedativos - 1%

Quanto mais cedo se começa a fumar maconha, maior o risco do consumo de outras drogas. Este raciocínio vale também para o cigarro e o álcool.

Efeitos agudos da Maconha

A chamada "onda" que o consumo de maconha causa, recebe em medicina o nome de intoxicação aguda pelo THC. Quando fumado, o THC é rapidamente absorvido pelos pulmões, chegando ao cérebro em poucos minutos. O pico de euforia costuma acontecer em 10 a 30 minutos e a intoxicação pode durar por até 4 horas.

A maconha é das drogas que causam intoxicação mais branda, não havendo relatos de mortes induzidas unicamente pelo seu consumo. Porém, é muito comum encontrar níveis de THC sanguíneos naqueles que chegam aos hospitais com overdose por outras drogas.

Logo após o seu consumo, surge a sensação de estar "alto", com euforia, sensação de prazer, diminuição da ansiedade, relaxamento e aumento da sociabilidade. Porém, em pessoas que a usam pela primeira vez ou naquelas com predisposição para distúrbios psiquiátricos como ansiedade e depressão, os sintomas podem não ser tão prazerosos, ocorrendo ataques de pânicos, profunda sensação de tristeza, crises de ansiedade e isolamento do grupo.

Outros sinais psicológicos que podem ocorrer durante a intoxicação são: 

- Distorções do tempo
- Perda da memória recente
- Diminuição da atenção e concentração 
- Paranóia
- Pensamentos míticos
- Sentimento de grandiosidade
- Despersonalização

Além dos efeitos psicológicos, o consumo de maconha também desencadeia uma série de efeitos físicos que incluem: 

- Taquicardia (aceleração dos batimentos cardíacos) 
- Aumento de pressão arterial (em doses muito elevadas pode causar queda da pressão)
- Aumento da frequência respiratória
- Hiperemia conjuntival (olhos vermelhos)
- Boca seca
- Aumento do apetite
- Letargia e redução dos reflexos

O mais importante é saber que alterações da concentração, dos reflexos e da performance motora podem durar até 24h, muito tempo depois do fim da sensação de estar "alto". Os efeitos da maconha consumida na noite anterior podem estar presentes nos usuários que vão dirigir ou trabalhar no dia seguinte, apesar dos mesmos, muitas vezes, não terem consciência disto. Este fato pode ser especialmente perigoso em profissionais como pilotos, cirurgiões, motoristas e pessoas que manuseiam maquinaria pesada.

Efeitos da maconha na pressão arterial e no coração

A maconha apesar de agir diretamente nos vasos sanguíneos causando relaxamento do mesmos e, consequentemente, diminuição da pressão arterial, também age aumentando a liberação de adrenalina, aumentando a frequência cardíaca e do volume de sangue bombeado pelo coração a cada batimento, ações que colaboram para elevação da pressão arterial.

Quanto maior a dose, maior é o efeito de vasodilatação. Em doses baixas a tendência é a pressão subir. Em doses elevadas pode ocorrer até mesmo hipotensão. O problema é que este efeito vasodilatador da maconha tende a ficar menos evidente com o uso crônico, fazendo com que os efeitos que elevam a pressão sejam mais efetivos a longo prazo.

A liberação de adrenalina, o aumento da frequência cardíaca e a vasodilatação aumentam o consumo de oxigênio pelo coração podendo desencadear eventos isquêmicos em pessoas com doença cardíaca prévia. Estes pacientes podem ter seu quadro agravado pela maconha e o risco de infarto é 5x maior nos primeiros 60 minutos após o seu consumo. O consumo da maconha também pode desencadear arritmias cardíacas como a fibrilação atrial.

Efeitos da maconha no sistema respiratório 

Outro dado pouco divulgado é que a fumaça da maconha possui 4x mais alcatrão e 50% mais substâncias carcinogênicas que o cigarro, além de ser fumado sem filtro e ser muito mais tragado, o que causa uma maior inalação de partículas irritativas para as vias aéreas e pulmões. O consumo de 3 cigarros de maconha parece equivaler ao de 20 cigarros comuns. A grande diferença é que a maioria das pessoas usa a maconha em menores quantidades e normalmente abandona o hábito com a idade.

Pessoas que fumam mais de 3 cigarros de maconha por dia costumam apresentar problemas respiratórios semelhantes aos fumantes comuns, incluindo tosse, catarro e diminuição da capacidade para exercícios. O uso crônico de maconha esta relacionado a um maior risco de DPOC (enfisema pulmonar/bronquite crônica) 

Fumar maconha também aumenta o risco de pneumotórax espontâneo

Maconha e câncer 

Como o consumo concomitante de cigarro é extremamente comum, é muito difícil de se estabelecer a magnitude dos riscos do uso da maconha isoladamente. É difícil encontrar pessoas que fumem apenas maconha durante um período de tempo suficiente para o desenvolvimento de um câncer. 

O consumo de cigarro está relacionado a inúmeros cânceres, mas o uso de maconha, baseado nos atuais trabalhos científicos, só pode ser atribuído aos cânceres de pulmão e bexiga. Isto não significa que a maconha isoladamente não cause outros cânceres, como o de cabeça e pescoço. Significa apenas que este fato ainda não foi 100% comprovado, apesar de haver fortes indícios para tal.
Um exemplo destes fortes indícios está no fato de que usuários apenas de maconha apresentam alterações moleculares nas vias respiratórias semelhantes às lesões pré-cancerígenas que os fumantes comuns desenvolvem antes do aparecimento do câncer de pulmão, sendo, portanto, altamente provável que a maconha também seja causa deste tipo de câncer. Outro dado importante é que indivíduos que fumam cigarro e maconha comprovadamente apresentam um risco ainda maior de câncer de pulmão quando comparados com fumantes apenas de cigarro. Logo, se por um lado o risco de câncer com o uso isolado de maconha é difícil de ser quantificado, por outro, já se sabe que o seu consumo regular potencializa os riscos de câncer do cigarro.

Maconha na gravidez 

Devido a falsa crença da inocuidade da maconha, esta é a droga ilícita mais usada durante a gravidez.

Até o momento não há evidências de que o consumo de maconha aumente o risco de má-formações, abortos ou partos prematuros. Porém, em gestantes que fumam mais de 6 cigarros de maconha por semana, os filhos apresentam, a partir dos 2 anos de idade, menor aptidão verbal e menor capacidade de memória que outras crianças. Estas crianças também apresentam maior risco de hiperatividade e depressão. Existe também trabalhos que mostram um maior risco de leucemias em crianças cuja mães fumaram cigarros comuns e maconha durante a gravidez 

Outros problemas de saúde causado pelo uso crônico de maconha

- Redução dos níveis de testosterona
- Diminuição da motilidade dos espermatozóides e infertilidade
- Redução da libido
- Impotência
- Alterações do ciclo menstrual
- Ginecomastia (crescimento de mamas em homens)
- Galactorréia (secreção anormal de leite pelas mamas)
- Alterações de memória
- Aumento da incidência de periodontites 

Pacientes portadores de hepatite C que fumam maconha apresentam maior risco de evoluírem para cirrose e câncer de fígado 
O uso crônico de maconha também aumenta os riscos de se desenvolver doenças psiquiátricas como esquizofrenia e depressão 

Existe hoje uma síndrome chamada em inglês de "chronic cannabis syndrome". Descreve usuários pesados de longa data que apresentam dificuldades cognitivas e menores conquistas profissionais e acadêmicas. Normalmente são pessoas com menos ambições profissionais e que acabam em empregos que exigem menor capacidade de raciocínio e concentração.
http://www.mdsaude.com/2008/09/marijuana.html 


ESSE TEXTO FOI RETIRADO DE UM SITE , ESTOU CITANDO, APENAS, POR CONTER INFORMAÇÕES SOBRE OS EFEITOS DA MACONHA NO ORGANISMO. MAS, DEIXANDO BEM CLARO O QUE PENSO SOBRE AS DROGAS, SOU CONTRA O USO E CONTRA A VENDA!!! 

Os danos a memória causados pela maconha continuam mesmo depois da pessoa passar um mês em abstinência.

Nos lábios, sinais de uso de inalantes e de maconha

Nesta foto , observe as marcas nos lábios que indicam uso de inalantes e de maconha. Fumar maconha deixa marcas que não cicatrizam , como as que aparecem em destaque na foto. E inalantes ferem também os lábios. A foto é de paciente que vem sendo tratado pela  cirurgiã-dentista SANDRA CRIVELLO, integrante de Jovem Pan Pela Vida, Contra as Drogas. A dra. Sandra Crivello é especialista no tratamento de doenças causadas por drogas na boca. Ela atende no Hospital Heliópolis, na Zona Sul da Capital, na Clínica Greenwood , em Itapacerica da Serra, e também no seu consultório particular, em Moema.
MACONHA: 
A ERVA DA DESTRUIÇÃO
Estudante norte-americana, presa inicialmente
por porte e uso de maconha, e depois,
inúmeras vezes por porte e uso de drogas variadas,
sendo a primeira vez em 83, com 14 anos,
e a última, em 97, com 28 anos.
Ela morreu de overdose aos 30.

Acompanhe a decadência…
É realmente deprimente…

melhor campanha contra as drogas

"Fumar maconha causa impotência sexual, infertilidade,
destruição da memória e câncer de pulmão."
Dr. Içami Tiba, médico psquiatra e psicodramatista há 38 anos
com mais de 75 mil atendimentos feitos,conferencista com 3.200 palestras proferidas,
e escritor com mais de 20 livros já publicados
 
 
"Fumar maconha vicia e causa danos permanenters no cérebro!."
Dra. Karen Bolla, pesquisadora norte-american










* * * Se você gostou do meu blog, por favor, siga-me via Google Friend Connect (canto superior direito) , via Bloglovin.***
***No Facebook e no Twitter.***

¸.•°*”˜˜”*°• ..¸.•°*”˜˜”*°•.☻/ღ˚ •。* ♥ ˚ ˚✰˚ ˛★* 。 ღ˛° 。* °♥ ˚ • ★ *˚ .ღ 。/*˛˚ღ •˚ ˚ ✰✰˚* ˚ ★/ \ ˚. ★ *˛ ˚♥* ✰。˚ ˚ღ。* ˛˚ ♥ 。✰˚* ˚ ★`⋎´✫¸.•°*”˜˜”*°•✫..✫¸.•°*”˜˜”*°•.✫°

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
 
↑Top